O que é a Medicina Funcional?

A Medicina Funcional avalia as causas subjacentes da doença, utilizando uma abordagem orientada para os sistemas e envolvendo tanto o paciente quanto o médico praticante em uma parceria terapêutica. É uma evolução na prática da medicina que aborda de uma forma melhor as necessidades de saúde do século XXI. Ao deslocar o enfoque, que é centralizado na doença na prática médica tradicional para uma abordagem mais centralizada no paciente, a Medicina Funcional aborda a pessoa como um todo e não apenas um conjunto isolado de sintomas. Os profissionais de Medicina Funcional passam um tempo maior com seus pacientes, ouvindo suas histórias e analisando as interações entre fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida que podem influenciar a saúde a longo prazo e que levam às doenças crônicas complexas. Desta forma, a Medicina Funcional suporta a expressão única de saúde e vitalidade para cada indivíduo.

Como a medicina funcional muda a maneira que nós fazemos medicina?

  • A Medicina Funcional oferece um novo e poderoso sistema operacional e modelo clínico para avaliação, tratamento e prevenção de doenças crônicas para substituir os modelos de cuidados agudos desatualizados e ineficazes levados adiante do século XX.
  • A Medicina Funcional incorpora o que há de mais recente em ciência genética, biologia de sistemas e compreensão de como os fatores ambientais e de estilo de vida influenciam o surgimento e a progressão da doença.
  • A Medicina Funcional permite aos médicos e outros profissionais de saúde praticarem uma medicina proativa, preditiva e personalizada e capacita os pacientes a assumirem um papel ativo na sua própria saúde.

A Medicina Funcional é guiada por seis diretrizes básicas:

health-10-a.jpg
  1. Uma compreensão da individualidade bioquímica de cada ser humano, com base nos conceitos de genética e unicidade ambiental;
  2. Consciência das evidências que apoiam uma abordagem do tratamento centrada no paciente e não centrada na doença;
  3. Procura um equilíbrio dinâmico entre o corpo interno e externo, mente e espírito;
    Interligação de fatores fisiológicos internos;
  4. A identificação da saúde como uma vitalidade positiva, não apenas a ausência de doença, e enfatizando aqueles fatores que estimulam o aumento de uma fisiologia vigorosa;
  5. Promoção da reserva de órgãos como meio de melhorar a extensão da saúde, e não apenas o tempo de vida de cada paciente.
  6. Uma abordagem centrada no paciente refere-se a cuidados de saúde que respeitam e respondem às preferências, necessidades e valores individuais do doente e que asseguram que os valores do doente orientam todas as decisões clínicas.

 

Enfim, o cuidado centrado no paciente é o núcleo do que costumamos chamar de parceria terapêutica; a relação que se forma entre um paciente e o clínico que capacita o mesmo a tomar posse de sua própria cura. O poder da parceria terapêutica vem da ideia de que os pacientes que são participantes ativos no desenvolvimento de seu plano terapêutico se sentem mais no controle de seu próprio bem-estar e são mais propensos a fazer mudanças sustentadas de estilo de vida para melhorar sua saúde.

health-10-b.jpg

Sobre o Equilibrium

O Centro Equilibrium - Medicina Individualizada vem realizando atendimento médico em Medicina Funcional com foco em Estilo de Vida há mais de 30 anos. Venha conhecer uma forma bem diferente de atendimento médico, que tem como foco a prevenção e a orientação do paciente, buscando juntamente com ele o atingimento de suas metas individuais.

Leia em Vitamina D

  • Deficiência de Vitamina D em homens pode aumentar o risco de cefaléia crônica

    Uma nova pesquisa européia sugere que a falta de vitamina D poderia ter outro efeito sobre a saúde, aumentando o risco de dor de cabeça crônica em homens.

  • Vitamina D e um sono bom e o gerenciamento da dor

    Após uma revisão das pesquisas publicadas sobre a relação entre vitamina D, sono e dor, os pesquisadores sugerem que a suplementação de vitamina D, juntamente com uma boa higiene do sono, pode oferecer uma maneira eficaz de administrar a dor em condições como artrite, dor nas costas crônica, fibromialgia e cólicas menstruais.

  • Menos radioterapia necessária se houver mais vitamina D (câncer de pulmão no laboratório) - março de 2017

    A vitamina D melhora a sensibilização do câncer de pulmão para a radioterapia

  • Vitamina D - novo estudo sugere que ela ajuda a diminuir o risco de câncer

    A vitamina D e o cálcio, há muito reconhecidos como importantes para a saúde óssea, atraíram o interesse clínico nos últimos anos por seus potenciais benefícios não esqueléticos, incluindo a prevenção do câncer.

  • Vitamina D permite prever a agressividade do câncer de próstata

    Pesquisadores americanos sugerem que há uma ligação entre os níveis baixos de vitamina D e a agressividade do câncer de próstata, é o que mostra um estudo publicado no “Journal of Clinical Oncology”.