Sábado, 10 Junho 2017 23:00

LDN - Naltrexona em Baixas Doses Destaque

Escrito por
Avalie este ítem
(1 Voto)

A naltrexona é uma droga farmacêutica que é utilizada há muito tempo, em doses elevadas, no tratamento de dependências de álcool e medicamentos opiáceos. Embora tenha sido aprovada pela FDA para este propósito, a pesquisa mostrou que também pode ser um tratamento eficaz contra o câncer.

A naltrexona em baixa dosagem, referida como LDN (Low Dose Naltrexone), é administrada como uma cápsula na faixa de 3 mg a 4,5 mg para o câncer, em oposição à dose de 50 mg administrada para o vício.

A naltrexona em baixa dosagem pode exercer seus efeitos no crescimento do tumor através de uma concomitância de três possíveis mecanismos:

  1. Induzindo aumentos de metenfalina (uma endorfina produzida em grandes quantidades na medula adrenal) e beta-endorfina na corrente sanguínea; 
  2. Induzindo um aumento no número e densidade dos receptores de opiáceos nas membranas das células tumorais, tornando-os mais sensíveis aos efeitos inibidores do crescimento dos níveis já presentes de endorfinas, que induzem a apoptose (morte celular) nas células cancerosas; e 
  3. Aumentando o número de células assassinas naturais (NK - Natural Killer) e a atividade das células NK e os números de CD8 ativados por linfócitos, que são bastante sensíveis ao aumento dos níveis de endorfinas.

A LDN funciona aumentando as endorfinas, que são os peptídeos do "bem estar" que são produzidos durante atividades como o exercício físico. As endorfinas são responsáveis pelos altos do corredor e, além de melhorar o bem-estar, eles também melhoram a função do sistema imunológico

O mecanismo de ação da baixa dose de naltrexona parece ser seu efeito em uma estrutura conhecida como o fator de crescimento de opióides (OGF - Opioid Growth Factor), que promove o crescimento de células cancerosas. O OGF parece estar presente em grandes quantidades em todas as células cancerosas - muito mais que nas células normais. Um estudo analisou 31 tipos de células de câncer humano, representando 90% de todo o câncer humano no mundo, e todos os 31 tipos de células apresentaram altos níveis de OGF. A capcidade da naltrexona em baixa dose em inibir o OGF acaba por resultar em uma desaceleração do crescimento de células tumorais.

Pesquisa por outros - sobre receptores de neuropeptídeos expressos por vários tumores humanos - encontrou receptores de opióides em muitos tipos de câncer:

  • Tumores cerebrais (tanto astrocitoma quanto glioblastoma)
  • Câncer de mama
  • Câncer do endométrio
  • Carcinoma de células escamosas de cabeça e pescoço
  • Leucemia mieloide
  • Câncer de pulmão (células pequenas e células não pequenas)
  • Neuroblastoma e outros

Esses achados sugerem a possibilidade de um efeito da LDN benéfico em uma ampla variedade de cânceres comuns.

Outro efeito promissor do efeito da LDN sobre o OGF é que ela pode inibir a formação de novos vasos sanguíneos, conhecida como angiogênese. Sabemos que as células cancerosas recrutam novos vasos sanguíneos, o que é essencial para o câncer sobreviver e se espalhar. Um estudo em ratos de laboratório descobriu que a LDN reduziu o número de novos vasos sanguíneos formados, bem como o comprimento total dos vasos sanguíneos.

"A naltrexona de baixa dose (LDN) pode muito bem ser a descoberta terapêutica mais importante em mais de cinquenta anos. Ele fornece um método novo, seguro e barato de tratamento médico, mobilizando as defesas naturais do próprio sistema imunológico. A LDN reduz substancialmente os custos dos cuidados de saúde e melhora o tratamento de uma ampla gama de doenças. Infelizmente, porque a naltrexona esteve sem proteção de patentes por muitos anos, nenhuma empresa farmacêutica suportará a despesa dos grandes ensaios clínicos necessários para a aprovação da FDA dos novos usos especiais da LDN. Agora, cabe às instituições públicas aproveitar a oportunidade que a LDN oferece. " - Dr. David Gluck

Lido 382 vezes Última modificação em Sábado, 10 Junho 2017 23:18
Dr. Renato Riccio

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Medicina Funcional e Integrativa com foco em Medicina do Estilo de Vida

www.drrenatoriccio.med.br
Faça login para comentar

Sobre o Equilibrium

O Centro Equilibrium - Medicina Individualizada vem realizando atendimento médico em Medicina Funcional com foco em Estilo de Vida há mais de 30 anos. Venha conhecer uma forma bem diferente de atendimento médico, que tem como foco a prevenção e a orientação do paciente, buscando juntamente com ele o atingimento de suas metas individuais.

Leia em Vitamina D

  • Deficiência de Vitamina D em homens pode aumentar o risco de cefaléia crônica

    Uma nova pesquisa européia sugere que a falta de vitamina D poderia ter outro efeito sobre a saúde, aumentando o risco de dor de cabeça crônica em homens.

  • Vitamina D e um sono bom e o gerenciamento da dor

    Após uma revisão das pesquisas publicadas sobre a relação entre vitamina D, sono e dor, os pesquisadores sugerem que a suplementação de vitamina D, juntamente com uma boa higiene do sono, pode oferecer uma maneira eficaz de administrar a dor em condições como artrite, dor nas costas crônica, fibromialgia e cólicas menstruais.

  • Menos radioterapia necessária se houver mais vitamina D (câncer de pulmão no laboratório) - março de 2017

    A vitamina D melhora a sensibilização do câncer de pulmão para a radioterapia

  • Vitamina D - novo estudo sugere que ela ajuda a diminuir o risco de câncer

    A vitamina D e o cálcio, há muito reconhecidos como importantes para a saúde óssea, atraíram o interesse clínico nos últimos anos por seus potenciais benefícios não esqueléticos, incluindo a prevenção do câncer.

  • Vitamina D permite prever a agressividade do câncer de próstata

    Pesquisadores americanos sugerem que há uma ligação entre os níveis baixos de vitamina D e a agressividade do câncer de próstata, é o que mostra um estudo publicado no “Journal of Clinical Oncology”.