Terça, 13 Junho 2017 20:11

Pimenta preta oferece riqueza de benefícios ocultos Destaque

Escrito por
Avalie este ítem
(1 Voto)

Quase todo mundo já comeu pimenta preta. É um ingrediente comum em muitas receitas, e a maioria das mesas em casas e restaurantes em todo o mundo tem um moedor.

Historicamente, a pimenta preta foi usada como tempero e como remédio. A razão subjacente que a tornou tão onipresente está enraizada na ciência. A pimenta preta aumenta a biodisponibilidade. Em outras palavras, a pimenta preta ajuda a melhorar a absorção de tudo o que for necessário, melhorando o processo digestivo e a absorção de alimentos em conjunto.

A pimenta preta é usada não apenas nos alimentos, mas também na medicina ayurvédica. Tem sido um elemento básico nas formulações para melhorar a absorção de medicamentos naturais por milhares de anos.

O BioPerine é um extrato patenteado e padronizado de pimenta preta (Piper nigrum). Piperina, um alcalóide contido na pimenta preta, que causa a sua amargura pungente; O BioPerine foi patenteado e padronizado para conter exatamente 95% de piperina. Quando o BioPerine patenteado é adicionado ao complexo patenteado de Curcumin C3, demonstrou aumentar a absorção e o tempo de penetração em órgãos como sangue, osso, coração, fígado, baço, rim e músculo mais do que apenas com Curcumín C3 Complexo sozinho. Este aumento demonstrou melhorar a absorção até 2.000 por cento.

Nenhum outro extrato de pimenta preta (bem como extrato de curcumina) pode fazer essa afirmação. É por isso que a medicina ayurvédica tradicionalmente coloca pimenta preta com curcumina em medicamentos e também porque preparamos nossas especiarias em nossos alimentos. O Bioperine também mostrou aumentar outras vitaminas e nutrientes dramaticamente.

O BioPerine possui a potência ideal de aumento da biodisponibilidade necessária da pimenta preta e demonstrou-se clinicamente em auxiliar na absorção de muitos suplementos. O Bioperine demonstrou melhorar a absorção da curcumina (especificamente Curcumin C3 Complex) em até 2.000 por cento, boswellia e gengibre de 30 por cento a 60 por cento. Isso é uma grande diferença.

Você não está apenas obtendo as formas mais potentes e clinicamente eficazes de curcumina, boswellia e gengibre em Bosmeric-SR, você está recebendo 2.000 por cento da forma mais clinicamente estudada de curcumina, mais 30 por cento a 60 por cento aumentou a absorção dos outros ingredientes - Sustentado durante oito horas.

BioPerine: atividades e ações

Atualmente, existem mais de 500 estudos celulares, animais e humanos modernos que descrevem as seguintes ações e propriedades da pimenta preta (piperina), contidas em BioPerine.

  • Anti-inflamatório (por exemplo, COX-2)
  • Antioxidante (isto é, peroxidação lipídica)
  • Antiasmático / anti-DPOC
  • Imunomodulador
  • Quimiopreventivo (evita que as células cancerosas cresçam)
  • Controla a progressão do crescimento tumoral
  • Anticancer (ou seja, diminui NF-kB, STAT-3 e MMP-9)
  • Auxilia no funcionamento do cérebro cognitivo
  • Aumenta a absorção de nutrientes ea biodisponibilidade de medicamentos à base de plantas e convencionais
  • Melhora a funcionalidade gastrointestinal
  • Antimicrobiano
  • Anti-úlcera (gastro-protetora)
  • Antidepressivo
  • Antiamébico

O BioPerine ajuda a aumentar as propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes, anticancerígenas e gastro-protetoras do Bosmeric-SR (combinação de Curcumin C3 Complex, Boswellin PS e extrato de gengibre), enquanto aumenta a absorção global da fórmula. No entanto, semelhante ao Curcumin C3 Complex e como a extração patenteada faz a eficácia clínica versus extratos genéricos de curcumina padronizados para 95 por cento de curcuminoides, o mesmo se aplica ao Bioperine. A patente é sobre como a piperina é extraída, não apenas a quantidade. Portanto, as fórmulas que usam os extratos genéricos de 95% de piperina não terão o mesmo benefício clínico que a forma patenteada de Bioperine.

Quanto bioPerine devo tomar um suplemento?

Para aqueles que tomam BioPerine em um suplemento dietético, a dose clínica para maior absorção de curcumina é de 5 mg por 250-500 mg de curcumina (a mesma dose aplica-se a boswellia e gengibre). Muitas empresas tendem a colocar menos de 5 mg de BioPerina em seus suplementos, apenas o suficiente para que possam incluí-lo no rótulo e comercializar o aumento da absorção. Mas, na maioria das vezes, essas quantidades não chegam nem perto da dose clínica necessária para uma melhor absorção.

Se você encontrar um produto com menos de 5 mg de BioPerine, pergunte também os outros ingredientes do produto. Novamente, é aqui que a indústria usa dados difíceis para fins de marketing, empregando uma tática de isca e mudança, pelo que eles conscientizam os consumidores sobre os benefícios da BioPerine, mas depois trocam-nos, fornecendo uma dose tão pequena que não oferece praticamente nenhum benefício clínico . Esta tática de isca e mudança novamente ilustra a freqüência com que as empresas priorizam lucros acima da eficácia, segurança e pureza.

Se um produto contiver apenas "extrato de pimenta preta", então fique atento a isso. Você provavelmente não está obtendo um produto padronizado para conter 95% de piperina (a concentração clinicamente efetiva) e, portanto, você não obterá os resultados que a empresa reivindica (direta ou indiretamente).

A pimenta preta pode ser perigosa?

Ao longo dos últimos anos, surgiu esta questão, não só de consumidores ou de pessoas que tiveram problemas, mas também de outras empresas de suplementos que vendem produtos antiinflamatórios naturais e não querem usar a forma patenteada de piperina (ou seja, BioPerine) ou use pimenta preta (novamente, para manter seus lucros mais elevados). Na verdade, algumas dessas empresas têm seu diretor de educação/marketing afirmam que o aumento da absorção proporcionada pela pimenta negra poderia potencialmente aumentar as interações com medicamentos prescritos e causar problemas hepáticos. Deixe-me assegurar-lhe que esta é apenas uma tática de susto.

Primeiro, a pimenta preta foi usada com segurança durante milhares de anos sem efeitos colaterais ou danos. Tenho praticado remédios por quase 20 anos e nunca ouvi falar de nenhum médico ou órgão regulador de saúde avisar o público para tomar cuidado com a medicação com as refeições que podem conter pimenta preta. Você provavelmente teve alguma pimenta preta na última vez que você comeu o jantar ou o jantar. A pimenta preta nunca foi banida de uma mesa de restaurante em qualquer lugar do mundo.

Na verdade, é bem o contrário. Milhões de pessoas em todo o mundo tomam seus medicamentos diariamente com alimentos que têm pimenta preta nele. Em algumas culturas e pratos, pode haver dúzias de vezes mais pimenta preta do que você faria em qualquer suplemento dietético.

Tente não se tornar uma vítima do medo medo fautor e táticas de medo. As empresas usam pessoas educativas, de marketing ou de vendas para divulgar esta informação incorreta a propósito - aumentar as vendas para o que quer que vendem ou para desencorajar os clientes de comprarem produtos de concorrentes. Nada mais.

Nenhum médico de verdade ou qualquer pessoa treinada em nutrição jamais lhe dirá para evitar a pimenta preta, a menos que você tenha uma alergia a ela. As empresas de suplementos mais respeitáveis entendem essas táticas de susto, mas, infelizmente, muitos atacadistas, varejistas e prestadores de cuidados de saúde não. Não compre no exagero. Mais importante ainda, você pode querer questionar as empresas que se esforçam para criar tal desinformação.

Referências

  1. S Prasad, A K Tyagi, and B B Aggarwal, “Recent Developments in Delivery, Bioavailability, Absorption and Metabolism of Curcumin: The Golden Pigment from Golden Spice,” Cancer Res Treat 46, no. 1 (2014): 2–18.
  2. Y Liu et al., “Inhibitory Effects of Black Pepper (Piper nigrum) Extracts and Compounds on Human Tumor Cell Proliferation, Cyclooxygenase Enzymes, Lipid Peroxidation and Nuclear Transcription Factor-kappa-B,” Nat Prod Commun 5, no. 8 (2010): 1253–7; Y Panahi et al., “Effects of Curcuminoids-Piperine Combination on Systemic Oxidative Stress, Clinical Symptoms, and Quality of Life in Subjects with Chronic Pulmonary Complications Due to Sulfur Mustard: A Randomized Controlled Trial,” J Diet Suppl (2016): 13(1):93-105; G Shoba et al., “Influence of Piperine on the Pharmacokinetics of Curcumin in Animals and Human Volunteers,” Planta Med 64, no. 4 (1998): 353–56; Vladimir Badmaev, Muhammed Majeed, and Edward P. Norkus, “Piperine, an Alkaloid Derived from Black Pepper, Increases Serum Response of Beta-Carotene During 14-Days of Oral Beta-Carotene Supplementation,” Nutrition Research 19, no. 3 (1999): 381–388; Vladimir Badmaev, Muhammed Majeed, and Lakshmi Prakash, “Piperine Derived from Black Pepper Increases the Plasma Levels of Coenzyme Q10 Following Oral Supplementation,” J Nutr Biochem 11 (2000): 109–113; M T Do et al., “Antitumor Efficacy of Piperine in the Treatment of Human HER2-Overexpressing Breast Cancer Cells,” Food Chem 141, no. 3 (2013): 2591–9; A Samykutty et al., “Piperine, a Bioactive Component of Pepper Spice Exerts Therapeutic Effects on Androgen Dependent and Androgen Independent Prostate Cancer Cells,” PLoS One 8, no. 6 (2013): e65889; P B Yaffe et al., “Piperine Impairs Cell Cycle Progression and Causes Reactive Oxygen Species-Dependent Apoptosis in Rectal Cancer Cells,” Exp Mol Pathol 94, no. 1 (2013): 109–14; C D Doucette et al., “Piperine, a Dietary Phytochemical, Inhibits Angiogenesis,” J Nutr Biochem 24, no. 1 (2013): 231–9; Y P Hwang et al., “Suppression of Phorbol-12-myristate-13-acetate-induced Tumor Cell Invasion by Piperine via the Inhibition of PKCα/ERK1/2-Dependent Matrix Metalloproteinase-9 Expression,” Toxicol Lett 203, no. 1 (May 30, 2011): 9–19; M S Butt et al., “Black Pepper and Health Claims: A Comprehensive Treatise,” Crit Rev Food Sci Nutr 53, no. 9 (2013): 875–86; P Rinwa and A Kumar, “Piperine Potentiates the Protective Effects of Curcumin against Chronic Unpredictable Stress-Induced Cognitive Impairment and Oxidative Damage in Mice,” Brain Res, 1488 (Dec. 7, 2012): 38–50; P Rinwa, A Kumar, and S Garg, “Suppression of Neuroinflammatory and Apoptotic Signaling Cascade by Curcumin Alone and in Combination with Piperine in Rat Model of Olfactory Bulbectomy Induced Depression,” PLoS One 8, no. 4 (2013): e61052.

 

Lido 270 vezes Última modificação em Terça, 13 Junho 2017 20:32
Dr. Renato Riccio

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Medicina Funcional e Integrativa com foco em Medicina do Estilo de Vida

www.drrenatoriccio.med.br
Faça login para comentar

Sobre o Equilibrium

O Centro Equilibrium - Medicina Individualizada vem realizando atendimento médico em Medicina Funcional com foco em Estilo de Vida há mais de 30 anos. Venha conhecer uma forma bem diferente de atendimento médico, que tem como foco a prevenção e a orientação do paciente, buscando juntamente com ele o atingimento de suas metas individuais.

Leia em Vitamina D

  • Deficiência de Vitamina D em homens pode aumentar o risco de cefaléia crônica

    Uma nova pesquisa européia sugere que a falta de vitamina D poderia ter outro efeito sobre a saúde, aumentando o risco de dor de cabeça crônica em homens.

  • Vitamina D e um sono bom e o gerenciamento da dor

    Após uma revisão das pesquisas publicadas sobre a relação entre vitamina D, sono e dor, os pesquisadores sugerem que a suplementação de vitamina D, juntamente com uma boa higiene do sono, pode oferecer uma maneira eficaz de administrar a dor em condições como artrite, dor nas costas crônica, fibromialgia e cólicas menstruais.

  • Menos radioterapia necessária se houver mais vitamina D (câncer de pulmão no laboratório) - março de 2017

    A vitamina D melhora a sensibilização do câncer de pulmão para a radioterapia

  • Vitamina D - novo estudo sugere que ela ajuda a diminuir o risco de câncer

    A vitamina D e o cálcio, há muito reconhecidos como importantes para a saúde óssea, atraíram o interesse clínico nos últimos anos por seus potenciais benefícios não esqueléticos, incluindo a prevenção do câncer.

  • Vitamina D permite prever a agressividade do câncer de próstata

    Pesquisadores americanos sugerem que há uma ligação entre os níveis baixos de vitamina D e a agressividade do câncer de próstata, é o que mostra um estudo publicado no “Journal of Clinical Oncology”.