Terça, 18 Julho 2017 05:21

Doenças crônicas e os ftalatos Destaque

Escrito por
Avalie este ítem
(1 Voto)

Alguns das substâncias químicas comuns utilizadas na produção do plástico poderão estar associados a um aumento nas doenças crônicas, é o que mostra um novo estudo.

O estudo, da Faculdade de Medicina da Universidade de Adelaide, Austrália, demonstrou níveis mais elevados de ftalatos na urina de homens, os quais foram associados a um aumento nas doenças cardiovasculares, diabetes de tipo 2 e hipertensão. Para o estudo, contou-se com a participação de 1.500 homens com 35 anos e mais de idade, cujos dados foram analisados no sentido de se detectar a presença de ftalatos. Foram detectados aquelas substâncias químicas em 99,6% dos homens estudados.

Estes níveis de ftalatos em cada participante foram posteriormente combinados com os índices de doenças crônicas nos mesmos. Descobriu-se que a prevalência de doenças cardiovasculares, diabetes de tipo 2 e hipertensão arterial aumentava entre os homens com os níveis totais de ftalatos mais elevados. Os resultados mantiveram-se com alterações mínimas após terem sido efetuados os ajustes relativos aos fatores socioeconômicos e de estilo de vida. Estudos anteriores já haviam demonstrado que os níveis de ftalatos são mais elevados em homens que consumiam mais alimentos embalados e processados, mais refrigerantes gaseificados e menos frutas e legumes.

Não obstante os resultados, este estudo não estabeleceu uma relação de causa e efeito. Não é claro se são os níveis mais elevados de ftalatos que causem as doenças crônicas ou se os níveis elevados são um resultado dos processos relacionados com elas. Contudo, sabe-se que estas substâncias químicas exercem um impacto no sistema endocrinológico humano que controla a liberação dos hormônios que regulam o crescimento, metabolismo e desenvolvimento e função sexual do organismo.

Artigo Original

  • Bai PY, Wittert G, Taylor AW, Martin SA, Milne RW, Jenkins AJ, Januszewski AS, Shi Z. The association between total phthalate concentration and non-communicable diseases and chronic inflammation in South Australian urban dwelling men. Environ Res. 2017 Jul 4;158:366-372. doi: 10.1016/j.envres.2017.06.021. [Epub ahead of print] PubMed PMID: 28686951.
Lido 124 vezes Última modificação em Terça, 18 Julho 2017 15:07
Dr. Renato Riccio

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Medicina Funcional e Integrativa com foco em Medicina do Estilo de Vida

www.drrenatoriccio.med.br
Faça login para comentar

Sobre o Equilibrium

O Centro Equilibrium - Medicina Individualizada vem realizando atendimento médico em Medicina Funcional com foco em Estilo de Vida há mais de 30 anos. Venha conhecer uma forma bem diferente de atendimento médico, que tem como foco a prevenção e a orientação do paciente, buscando juntamente com ele o atingimento de suas metas individuais.

Leia em Vitamina D

  • Deficiência de Vitamina D em homens pode aumentar o risco de cefaléia crônica

    Uma nova pesquisa européia sugere que a falta de vitamina D poderia ter outro efeito sobre a saúde, aumentando o risco de dor de cabeça crônica em homens.

  • Vitamina D e um sono bom e o gerenciamento da dor

    Após uma revisão das pesquisas publicadas sobre a relação entre vitamina D, sono e dor, os pesquisadores sugerem que a suplementação de vitamina D, juntamente com uma boa higiene do sono, pode oferecer uma maneira eficaz de administrar a dor em condições como artrite, dor nas costas crônica, fibromialgia e cólicas menstruais.

  • Menos radioterapia necessária se houver mais vitamina D (câncer de pulmão no laboratório) - março de 2017

    A vitamina D melhora a sensibilização do câncer de pulmão para a radioterapia

  • Vitamina D - novo estudo sugere que ela ajuda a diminuir o risco de câncer

    A vitamina D e o cálcio, há muito reconhecidos como importantes para a saúde óssea, atraíram o interesse clínico nos últimos anos por seus potenciais benefícios não esqueléticos, incluindo a prevenção do câncer.

  • Vitamina D permite prever a agressividade do câncer de próstata

    Pesquisadores americanos sugerem que há uma ligação entre os níveis baixos de vitamina D e a agressividade do câncer de próstata, é o que mostra um estudo publicado no “Journal of Clinical Oncology”.