Terça, 25 Julho 2017 13:54

Usando a dieta cetogênica para o tratamento de demências Destaque

Escrito por
Avalie este ítem
(3 Votos)

Estudos mostram que uma dieta cetogênica pode retardar e, até mesmo, reverter sintomas de perda de memória e comprometimento cognitivo durante todos os estágios da demência.

Você pode estar perguntando: O que é uma dieta cetogênica? 

Bem, a dieta cetogênica é uma dieta rica em gordura, com proteína adequada e baixo teor em carboidratos que produz cetonas - compostos que o corpo pode usar para produzir energia. As cetonas foram demonstradas em estudos como sendo neuroprotetoras, o que significa que "defendem" seu cérebro da degeneração. Em suma, uma dieta cetogênica é uma ótima maneira de reverter a demência naturalmente.

Prevenção de demência com dieta cetogênica

Por que uma dieta cetogênica é promissora? A pesquisa estabelece claramente uma forte ligação entre os transtornos do açúcar no sangue e os vários estádios da demência, incluindo perda de memória, comprometimento cognitivo leve (MCI - mild cognitive impairment) e Alzheimer. Os distúrbios mais elevados do açúcar no sangue são a resistência à insulina e o diabetes. Na verdade, o link é tão óbvio que alguns pesquisadores rotularam a doença de Alzheimer como "diabetes tipo 3".

Para a maioria das pessoas, o sistema de manuseio de açúcar no sangue funciona mal graças a dietas pesadas em pães, massas, pastelarias, cereais, grãos, batatas, bebidas de café doce, refrigerantes e bebidas energéticas e sobremesas de todos os tipos.

O corpo humano simplesmente não foi projetado para comer doces e alimentos amiláceos nas quantidades que a maioria das pessoas estão consumindo hoje, e as conseqüências são evidentes na forma de excesso de peso e obesidade. No entanto, subjacente ao acúmulo de excesso de gordura corporal está algo muito mais insidioso: a degeneração rápida e a função anormal do cérebro, o que leva aos estádios de demência da perda de memória, comprometimento cognitivo leve e doença de Alzheimer.

Devido ao fato dos mecanismos de glicose e insulina no cérebro estarem tão prejudicados no momento em que se entra nos estádios de demência, uma dieta cetogênica pode ser uma ótima cura natural para a doença de Alzheimer, pois pode retardar ou mesmo reverter os sintomas. Isso ocorre porque o cérebro agora está queimando cetonas para obter energia em vez de glicose, o que pode ajudar a restaurar a função.

A dieta cetogênica como uma "dieta anti demência"

Ao adotar uma dieta cetogênica (você pode chamar de "dieta anti demência"), siga estas etapas.

  1. Elimine todos os edulcorantes (incluindo os naturais), carboidratos de amido e grãos da sua dieta.
  2. Limite a quantidade de fruta que você come e fique com a maior parte das bagas, uma vez que elas possuem concentrações mais baixas em açúcar e maiores em antioxidantes que outras frutas.
  3. Consuma apenas proteínas dietéticas suficientes para atender às suas necessidades diárias de fontes densas de nutrientes de alta qualidade. Estas incluem carnes de animais alimentados com grama, peixe selvagem e ovos de galinhas que pastoreiam. As proteínas lácteas causam inflamação em muitas pessoas e podem não ser apropriadas para a saúde cerebral.
  4. Coma uma grande quantidade de vegetais densos e não amiláceos em suas refeições.
  5. Coma gorduras dietéticas suficientes para evitar a fome e sustentar a energia. Ao contrário da crença popular, as gorduras animais são saudáveis para o cérebro. Estas incluem as gorduras encontradas naturalmente em carnes orgânicas, alimentadas com capim, peixe selvagem e ovos pastagens. Evite rigorosamente as gorduras hidrogenadas e também evite os óleos vegetais que são ricos em ácidos graxos ômega 6 e conhecidos por exacerbar a resistência à insulina: milho, girassol, cártamo, soja e canola. Em vez disso, use azeite de oliva, óleo com triglicerídeos de cadeia média (MCT), manteiga ou ghee (o ghee é manteiga que possui os sólidos do leite removidos) e creme de leite. A manteiga e o creme podem não ser apropriados se você é intolerante aos produtos lácteos, mas o ghee deve ficar bem.

O óleo de MCT é uma excelente adição a uma dieta cetogênica usada para estádios de demência porque o fígado converte-a diretamente em corpos de cetona. O óleo de triglicerídeos de cadeia média também pode ajudar a facilitar a transição de uma dieta baseada principalmente em grãos, açúcares e outros alimentos ricos em carboidratos para uma dieta menor em carboidratos que produz cetonas.

Referências

  1. Hildreth KL, Van Pelt RE, Schwartz RS. Obesity, insulin resistance, and Alzheimer’s disease. Obesity. 2012 Feb. 7.
  2. Bartl J, Monoranu CM, Wagner, AK et al. Alzheimer’s disease and type 2 diabetes: Two disease, one common link? World J Biol Psychiatry. 2012 Feb. 14.
  3. Watson GS, Craft S. Insulin resistance, inflammation, and cognition in Alzheimer’s disease: lessons for multiple sclerosis. J Neurol Sci. 2006 Jun 15;245(1-2):21-33.
  4. Cheng G, Huang C, Deng H, Wang H. Diabetes as a risk factor for dementia and mild cognitive impairment: a meta-analysis of longitudinal studies. Intern Med J. 2012 Feb. 28.
  5. de la Monte SM, Wands JR. Alzheimer’s disease is type 3 diabetes-evidence reviewed. J Diabetes Sci Technol. 2008 Nov;2(6):1101-13.
  6. Henderson ST. Ketone bodies as a therapeutic for Alzheimer’s Disease. Neurotherapeutics 2008;5:470-480.
  7. Van der Auwera I, Wera S, Van Leuven F, Henderson ST. A ketogenic diet reduces amyloid beta 40 and 42 in a mouse model of Alzheimer’s disease. Nutr Metab  (London) 2005;2:28.
  8. A ketogenic diet delays weight loss and does not impair working memory or motor function in the R6/2 1J mouse model of Huntington’s disease. Physiol Behav. 2011 Jul 6;103(5):501-7. Epub 2011 Apr 9.
  9. Kim DY, Hao J, Liu R, Turner G, Shi F-D, et al. (2012) Inflammation-Mediated Memory Dysfunction and Effects of a Ketogenic Diet in a Murine Model of Multiple Sclerosis. PLoS ONE 7(5): e35476. doi:10.1371/journal.pone.0035476.
  10. Dietary ketosis enhances memory in mild cognitive impairment. Neurobiology of Aging. Volume 33, Issue 2 , Pages 425.e19-425.e27, February 2012.
  11. L.C. Costantini, L.J. Barr, J.L. Vogel and S.T. Henderson, “Hypometabolism as a therapeutic target in Alzheimer’s disease” BMC Neurosci (2008) Vol. 9, Suppl. 2, S16. doi: 10.1186/1471-2202-9-S2-S16.
  12. M.A. Reger, S. T. Henderson, C. Hale, B. Cholerton, L.D. Baker, G.S. Watson, K. Hyde, D. Chapman and S. Craft, “Effects of Beta-hydroxybutyrate on cognition in memory-impaired adults,” Neurobiology of Aging (2004) Vol.25, No. 3, March, pp. 311-314.
  13. What is there was a cure for Alzheimer’s and no one knew? A case study by Dr. Mary Newport. July 22, 2008.
Lido 148 vezes
Dr. Renato Riccio

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Medicina Funcional e Integrativa com foco em Medicina do Estilo de Vida

www.drrenatoriccio.med.br
Faça login para comentar

Sobre o Equilibrium

O Centro Equilibrium - Medicina Individualizada vem realizando atendimento médico em Medicina Funcional com foco em Estilo de Vida há mais de 30 anos. Venha conhecer uma forma bem diferente de atendimento médico, que tem como foco a prevenção e a orientação do paciente, buscando juntamente com ele o atingimento de suas metas individuais.

Leia em Vitamina D

  • Deficiência de Vitamina D em homens pode aumentar o risco de cefaléia crônica

    Uma nova pesquisa européia sugere que a falta de vitamina D poderia ter outro efeito sobre a saúde, aumentando o risco de dor de cabeça crônica em homens.

  • Vitamina D e um sono bom e o gerenciamento da dor

    Após uma revisão das pesquisas publicadas sobre a relação entre vitamina D, sono e dor, os pesquisadores sugerem que a suplementação de vitamina D, juntamente com uma boa higiene do sono, pode oferecer uma maneira eficaz de administrar a dor em condições como artrite, dor nas costas crônica, fibromialgia e cólicas menstruais.

  • Menos radioterapia necessária se houver mais vitamina D (câncer de pulmão no laboratório) - março de 2017

    A vitamina D melhora a sensibilização do câncer de pulmão para a radioterapia

  • Vitamina D - novo estudo sugere que ela ajuda a diminuir o risco de câncer

    A vitamina D e o cálcio, há muito reconhecidos como importantes para a saúde óssea, atraíram o interesse clínico nos últimos anos por seus potenciais benefícios não esqueléticos, incluindo a prevenção do câncer.

  • Vitamina D permite prever a agressividade do câncer de próstata

    Pesquisadores americanos sugerem que há uma ligação entre os níveis baixos de vitamina D e a agressividade do câncer de próstata, é o que mostra um estudo publicado no “Journal of Clinical Oncology”.