Terça, 15 Agosto 2017 05:21

Zumbi existe! E pior, ele pode estar dentro de você!

Escrito por
Avalie este ítem
(1 Voto)

Quer seja por lesões, por toxinas ou por estresse, quando uma célula é danificada, ela pode fazer apenas uma dessas três coisas:

  1. Reparar-se e tornar-se nova em folha.
  2. Autodestruir-se usando o sistema de "morte celular programada" para evitar reproduzir e espalhar este dano ao resto do corpo.
  3. Ir para a "aposentadoria", deixando de se reproduzir ou reparar, mas mantendo-se viva. 

As duas primeiras opções são boas e saudáveis. Se uma célula é totalmente reparada após o dano, ela continua perfeitamente adequada para continuar servindo seu organismo. Do mesmo modo, se uma célula não pode se consertar por completo, ela é biologicamente programada para cometer um "suicídio" celular e, portanto, proteger o resto do corpo. Ora, isso também é uma coisa boa! 

Mas quando as células decidem seguir com a opção número três, as coisas ficam um tanto quanto estranhas! 

zumbi celuEstas são as células que entram no que os cientistas chamam de "senescência". A maneira mais fácil de descrever uma célula senescente é como se ela fosse um “zumbi”. Tecnicamente, ela continua viva, e tem todas as partes que são supostas estarem presentes em uma célula normal. Mas, esta célula não se comporta como uma célula normal e saudável. Essas "células zumbis" são velhas, fracas, corrompidas e disfuncionais. 

Antes de se tornarem "células zumbis" senescentes, elas deveriam ter seguido as instruções em seu DNA para executarem a "morte celular programada". Mas, por algum motivo, elas se recusaram a morrer! E mais! Agora, elas estão vivendo como agentes desonestos no interior do seu organismo - ou seja, não gerando novas células para tomar seu lugar e, pior, contaminando o resto do seu ecossistema celular. 

Agora, a verdade chocante: os pesquisadores estão provando que essas "células zumbis" se acumulam rapidamente em nossos corpos à medida que envelhecemos. Em um estudo com primatas grandes em 2007, os pesquisadores demonstraram um acúmulo constante dessas "células zumbis" senescentes à medida que os animais cresciam. E em uma revisão da literatura médica existente realizada em 2014, os pesquisadores concluíram firmemente que as "células zumbis" se acumulam como uma espécie de efeito de bola de neve nos tecidos dos órgãos e músculos à medida que envelhecemos. 

O acúmulo dessas "células zumbis" no corpo é o que está sendo referido como "envelhecimento celular" por muitos cientistas. 

E centenas de estudos estão apontando para ele como um fator de risco potencial para inúmeros problemas de saúde, tais como: 

  • ENVELHECIMENTO ACELERADO - De acordo com uma pesquisa de 2016, as “células zumbis" senescentes podem acelerar os efeitos do envelhecimento (como rugas, manchas de idade, etc.) devido à sua menor capacidade de resposta ao estresse.
  • CRESCIMENTO CELULAR ANORMAL AUMENTADO - Em 2011, pesquisadores perceberam que as "células zumbis" senescentes liberam substâncias químicas pró-inflamatórias chamadas citocinas. Esses produtos químicos podem contribuir para o crescimento celular anormal. Além disso, pesquisadores na Grécia, em um estudo de 2000 descobriram que essas “células zumbi" se acumulam em nossos corpos com a idade.
  • METABOLISMO LENTO E ACUMULAÇÃO DE GORDURA - Em 2015, os pesquisadores demonstraram que as células senescentes tendem a acumular mais gordura e têm um metabolismo celular mais lento que as células saudáveis normais.
  • SUPRESSÃO IMUNOLÓGICA - As “células zumbis" senescentes podem contribuir para a supressão do sistema imunológico, de acordo com pesquisas imunológicas a partir de 2013.
  • RIGIDEZ ARTICULAR - Em um estudo de 2001 publicado no Iowa Orthopaedic Journal, os pesquisadores afirmaram que certas “células zumbis" senescentes na cartilagem poderiam ser responsáveis por articulações rígidas.
  • DESBALANÇOS NA GLICOSE SANGUÍNEA - A criação de “células zumbis" senescentes a partir da dieta, do envelhecimento e outros fatores podem contribuir para desequilíbrios de açúcar no sangue, de acordo com o American Diabetes Journal e outras fontes.
  • PERDA DE MEMÓRIA RELACIONADA COM A IDADE - Um estudo de 2015 descobriu que as "células zumbis" senescentes podem desempenhar um papel na perda de memória relacionada à idade.

Por fim, estes são apenas alguns dos riscos que os pesquisadores médicos estão começando a ligar com o acúmulo destas "células zumbis” no corpo com o processo de envelhecimento! E a parte mais preocupante é: todos nós somos afetados

Não importa o que você faça - o quão bem você coma, quanto você se exercita ou onde você mora - mais e mais dessas "células zumbis" estão se acumulando em seu corpo com cada ano que passa. 

Por que estou te dizendo isso? Não é para desencorajá-lo. Na verdade, eu digo isso porque quero compartilhar alguns fatos interessantes com você, mas para isso, reflita um pouco sobre isso e aguarde o próximo post, onde vou te explicar algumas soluções para este problema … 

Lido 160 vezes Última modificação em Terça, 15 Agosto 2017 13:12
Dr. Renato Riccio

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Medicina Funcional e Integrativa com foco em Medicina do Estilo de Vida

www.drrenatoriccio.med.br
Faça login para comentar

Sobre o Equilibrium

O Centro Equilibrium - Medicina Individualizada vem realizando atendimento médico em Medicina Funcional com foco em Estilo de Vida há mais de 30 anos. Venha conhecer uma forma bem diferente de atendimento médico, que tem como foco a prevenção e a orientação do paciente, buscando juntamente com ele o atingimento de suas metas individuais.

Leia em Vitamina D

  • Deficiência de Vitamina D em homens pode aumentar o risco de cefaléia crônica

    Uma nova pesquisa européia sugere que a falta de vitamina D poderia ter outro efeito sobre a saúde, aumentando o risco de dor de cabeça crônica em homens.

  • Vitamina D e um sono bom e o gerenciamento da dor

    Após uma revisão das pesquisas publicadas sobre a relação entre vitamina D, sono e dor, os pesquisadores sugerem que a suplementação de vitamina D, juntamente com uma boa higiene do sono, pode oferecer uma maneira eficaz de administrar a dor em condições como artrite, dor nas costas crônica, fibromialgia e cólicas menstruais.

  • Menos radioterapia necessária se houver mais vitamina D (câncer de pulmão no laboratório) - março de 2017

    A vitamina D melhora a sensibilização do câncer de pulmão para a radioterapia

  • Vitamina D - novo estudo sugere que ela ajuda a diminuir o risco de câncer

    A vitamina D e o cálcio, há muito reconhecidos como importantes para a saúde óssea, atraíram o interesse clínico nos últimos anos por seus potenciais benefícios não esqueléticos, incluindo a prevenção do câncer.

  • Vitamina D permite prever a agressividade do câncer de próstata

    Pesquisadores americanos sugerem que há uma ligação entre os níveis baixos de vitamina D e a agressividade do câncer de próstata, é o que mostra um estudo publicado no “Journal of Clinical Oncology”.