Quinta, 18 Maio 2017 19:17

Envelhecimento e Tetrahidrocanabinol Destaque

Escrito por
Avalie este ítem
(1 Voto)

Uma equipe de investigadores conseguiu reverter o processo de envelhecimento cognitivo em ratos idosos através do princípio ativo na planta canábis, o canabinoide tetrahidrocanabinol ou THC.

Em um estudo de vários anos conduzido pela Universidade de Bonn, Alemanha, e pela Universidade Hebraica de Jerusalém, Israel, a equipe conseguiu que ratinhos idosos, com dois anos de idade, revertessem a função de aprendizagem e memória para o equivalente à de ratos de dois meses de idade. Este estudo poderá oferecer a possibilidade de se desenvolver novos tratamentos para o declínio cognitivo e demência nos idosos, por exemplo.

Para o estudo, foram administradas doses reduzidas do canabinoide THC a ratos jovens (com dois meses de idade) e a ratos mais velhos (com 12 meses e 18 meses de idade), durante um período de quatro semanas. Após este período, testou-se a capacidade de aprendizagem e memória dos roedores. Os resultados demonstraram que o tratamento provocou danos nos ratos jovens. No entanto, o canabinoide revelou-se benéfico para os ratos mais velhos e idosos pois aqueles revelaram melhoramentos nos testes de aprendizagem e memória.

Os investigadores apuraram ainda que os melhoramentos na aprendizagem e memória observados nos ratos mais velhos estavam associados a alterações na expressão dos genes que regulam o hipocampo, que é uma região de cérebro importante na função da memória. Concluiu-se que, ao contrário de outros métodos para reverter alterações genéticas relacionadas com o envelhecimento que apresentam efeitos secundários adversos, o THC e outros canabinoides possuem um excelente registro de segurança e não produzem efeitos secundários adversos quando são administrados em doses baixas a indivíduos mais velhos.

Artigo Original

  • Bilkei-Gorzo A, Albayram O, Draffehn A, Michel K, Piyanova A, Oppenheimer H, Dvir-Ginzberg M, Rácz I, Ulas T, Imbeault S, Bab I, Schultze JL, Zimmer A. A chronic low dose of Δ(9)-tetrahydrocannabinol (THC) restores cognitive function in old mice. Nat Med. 2017 May 8. doi: 10.1038/nm.4311. [Epub ahead of print] PubMed PMID: 28481360. 

 

 

 

 

Lido 327 vezes Última modificação em Quinta, 18 Maio 2017 19:28
Dr. Renato Riccio

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Medicina Funcional e Integrativa com foco em Medicina do Estilo de Vida

www.drrenatoriccio.med.br
Faça login para comentar

Sobre o Equilibrium

O Centro Equilibrium - Medicina Individualizada vem realizando atendimento médico em Medicina Funcional com foco em Estilo de Vida há mais de 30 anos. Venha conhecer uma forma bem diferente de atendimento médico, que tem como foco a prevenção e a orientação do paciente, buscando juntamente com ele o atingimento de suas metas individuais.

Leia em Vitamina D

  • Deficiência de Vitamina D em homens pode aumentar o risco de cefaléia crônica

    Uma nova pesquisa européia sugere que a falta de vitamina D poderia ter outro efeito sobre a saúde, aumentando o risco de dor de cabeça crônica em homens.

  • Vitamina D e um sono bom e o gerenciamento da dor

    Após uma revisão das pesquisas publicadas sobre a relação entre vitamina D, sono e dor, os pesquisadores sugerem que a suplementação de vitamina D, juntamente com uma boa higiene do sono, pode oferecer uma maneira eficaz de administrar a dor em condições como artrite, dor nas costas crônica, fibromialgia e cólicas menstruais.

  • Menos radioterapia necessária se houver mais vitamina D (câncer de pulmão no laboratório) - março de 2017

    A vitamina D melhora a sensibilização do câncer de pulmão para a radioterapia

  • Vitamina D - novo estudo sugere que ela ajuda a diminuir o risco de câncer

    A vitamina D e o cálcio, há muito reconhecidos como importantes para a saúde óssea, atraíram o interesse clínico nos últimos anos por seus potenciais benefícios não esqueléticos, incluindo a prevenção do câncer.

  • Vitamina D permite prever a agressividade do câncer de próstata

    Pesquisadores americanos sugerem que há uma ligação entre os níveis baixos de vitamina D e a agressividade do câncer de próstata, é o que mostra um estudo publicado no “Journal of Clinical Oncology”.