Quarta, 21 Junho 2017 18:26

Conheça o fator de crescimento vascular endotelial (VEGF) Destaque

Escrito por
Avalie este ítem
(4 Votos)

O fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) é uma proteína de sinalização que promove o crescimento de novos vasos sanguíneos.

O VEGF faz parte do mecanismo que restaura o suprimento de sangue para células e tecidos quando eles são privados de sangue oxigenado devido ao comprometimento da circulação sanguínea.

Funções

Uma das principais funções do VEGF é formar novos vasos sanguíneos à medida que um bebê cresce e se desenvolve no útero. Esta proteína também estimula o crescimento de novos vasos sanguíneos após lesão e o crescimento muscular após o exercício ter sido realizado. Nos casos em que os vasos sanguíneos são obstruídos, o VEGF também promove a criação de novos vasos sanguíneos para contornar os vasos bloqueados.

Problemas com VEGF

A super-expressão do VEGF é um fator que contribui para o desenvolvimento da doença. Por exemplo, os tumores sólidos requerem um aumento do suprimento de sangue se continuarem a crescer além de um certo tamanho e os tumores que expressam VEGF podem continuar crescendo porque conseguem promover esse aumento de sangue, um processo conhecido como angiogênese. Os cânceres que expressam VEGF são, portanto, capazes de crescerem e se espalharem (metástase) para outros órgãos e regiões do corpo.

A super-expressão do VEGF também pode levar à doença vascular na retina e outras partes do corpo. A expressão desta proteína também foi associada a um desfecho pobre no câncer de mama. Um nível reduzido de VEGF nas artérias pulmonares tem sido associado à condição de enfisema pulmonar.

VEGF em uso terapêutico

Uma vez que o crescimento do câncer é estimulado pelo VEGF, os pesquisadores fizeram numerosas tentativas de diminuir sua expressão a fim de prevenir a angiogênese e o crescimento tumoral. Se o suprimento de sangue for reduzido, o tumor vai literalmente "morrer de fome" até a morte. Dois medicamentos que conseguiram retardar a progressão de doenças que dependem do VEGF são bevacizumab e ranibizumab.

 

Lido 354 vezes Última modificação em Quarta, 21 Junho 2017 18:32
Dr. Renato Riccio

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Medicina Funcional e Integrativa com foco em Medicina do Estilo de Vida

www.drrenatoriccio.med.br
Faça login para comentar

Sobre o Equilibrium

O Centro Equilibrium - Medicina Individualizada vem realizando atendimento médico em Medicina Funcional com foco em Estilo de Vida há mais de 30 anos. Venha conhecer uma forma bem diferente de atendimento médico, que tem como foco a prevenção e a orientação do paciente, buscando juntamente com ele o atingimento de suas metas individuais.

Leia em Vitamina D

  • Deficiência de Vitamina D em homens pode aumentar o risco de cefaléia crônica

    Uma nova pesquisa européia sugere que a falta de vitamina D poderia ter outro efeito sobre a saúde, aumentando o risco de dor de cabeça crônica em homens.

  • Vitamina D e um sono bom e o gerenciamento da dor

    Após uma revisão das pesquisas publicadas sobre a relação entre vitamina D, sono e dor, os pesquisadores sugerem que a suplementação de vitamina D, juntamente com uma boa higiene do sono, pode oferecer uma maneira eficaz de administrar a dor em condições como artrite, dor nas costas crônica, fibromialgia e cólicas menstruais.

  • Menos radioterapia necessária se houver mais vitamina D (câncer de pulmão no laboratório) - março de 2017

    A vitamina D melhora a sensibilização do câncer de pulmão para a radioterapia

  • Vitamina D - novo estudo sugere que ela ajuda a diminuir o risco de câncer

    A vitamina D e o cálcio, há muito reconhecidos como importantes para a saúde óssea, atraíram o interesse clínico nos últimos anos por seus potenciais benefícios não esqueléticos, incluindo a prevenção do câncer.

  • Vitamina D permite prever a agressividade do câncer de próstata

    Pesquisadores americanos sugerem que há uma ligação entre os níveis baixos de vitamina D e a agressividade do câncer de próstata, é o que mostra um estudo publicado no “Journal of Clinical Oncology”.