Quinta, 20 Julho 2017 18:13

Torta Salgada de Legumes sem glúten Destaque

Escrito por
Avalie este ítem
(1 Voto)

A receita desta torta é muito boa, e o que é melhor, a massa é feita com amido de milho (maisena), ou seja, não leva trigo na sua preparação, o que a deixa muito mais leve e, ao meu gosto, ela fica muito mais gostosa do que quando preparada com farinha de trigo!

O recheio que eu fiz para essa torta foi com legumes, mas você pode incrementá-la com frango desfiado, atum, presunto, enfim com o que você tiver na sua despensa e geladeira! Essa é mais uma receitinha nota mil!!!

Ingredientes:

  • 4 ovos
  • 1 xícara (chá) de leite sem lactose (ou leite de coco)
  • 1 e 1/4 xícara (chá) de amido de milho (maisena)
  • 1/2 xícara de azeite
  • 1/2 cubinho de caldo de legumes esfarelado
  • 3 colheres (sopa) de queijo ralado (opicional)
  • 1 colher (sopa) de fermento em pó
  • 1 colher (café) rasa de sal
  • Legumes picadinhos de sua preferência (eu usei 1 xícara de cenoura picadinha, 1 xícara de abobrinha picadinha, 1 xícara de ervilhas, dei uma pré cozida na cenoura e na abobrinha, juntei todos os legumes em uma vasilha, coloquei um pouco de sal, pimenta do reino moída na hora e misturei tudo).

Prepraro:

  1. Coloque  primeiro os ingredientes líquidos no liquidificador, para só depois adicionar os secos, bata tudo até obter uma mistura homogênea, a massa é mesmo um pouco líquida, mas nao se preocupe que dá certo sim .
  2. Você pode fazer a torta em um refratário de vidro untado e enfarinhado, ou fazer numa forma de fundo desmontável forrada com papel manteiga e untada somente na laterias, se você for usar o refratário, ou a forma, a dimensão não pode ser muito grande, a minha forma tem 20cm de diâmetro.
  3. Despeje metade da massa sobre o refratário, em seguida coloque todo o recheio e despeje o restante da massa por cima do recheio, se quiser pode polvilhar queijo ralado e orégano por cima.
  4. Leve a torta ao forno pré aquecido a 180°c por aproximadamente 45 minutos.
  5. Retire a torta do forno e sirva-a morna ou fria.

 

Lido 46 vezes Última modificação em Quinta, 20 Julho 2017 18:19
Dr. Renato Riccio

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Medicina Funcional e Integrativa com foco em Medicina do Estilo de Vida

www.drrenatoriccio.med.br
Faça login para comentar

LEIA TAMBÉM....

Sobre o Equilibrium

O Centro Equilibrium - Medicina Individualizada vem realizando atendimento médico em Medicina Funcional com foco em Estilo de Vida há mais de 30 anos. Venha conhecer uma forma bem diferente de atendimento médico, que tem como foco a prevenção e a orientação do paciente, buscando juntamente com ele o atingimento de suas metas individuais.

Leia em Vitamina D

  • Deficiência de Vitamina D em homens pode aumentar o risco de cefaléia crônica

    Uma nova pesquisa européia sugere que a falta de vitamina D poderia ter outro efeito sobre a saúde, aumentando o risco de dor de cabeça crônica em homens.

  • Vitamina D e um sono bom e o gerenciamento da dor

    Após uma revisão das pesquisas publicadas sobre a relação entre vitamina D, sono e dor, os pesquisadores sugerem que a suplementação de vitamina D, juntamente com uma boa higiene do sono, pode oferecer uma maneira eficaz de administrar a dor em condições como artrite, dor nas costas crônica, fibromialgia e cólicas menstruais.

  • Menos radioterapia necessária se houver mais vitamina D (câncer de pulmão no laboratório) - março de 2017

    A vitamina D melhora a sensibilização do câncer de pulmão para a radioterapia

  • Vitamina D - novo estudo sugere que ela ajuda a diminuir o risco de câncer

    A vitamina D e o cálcio, há muito reconhecidos como importantes para a saúde óssea, atraíram o interesse clínico nos últimos anos por seus potenciais benefícios não esqueléticos, incluindo a prevenção do câncer.

  • Vitamina D permite prever a agressividade do câncer de próstata

    Pesquisadores americanos sugerem que há uma ligação entre os níveis baixos de vitamina D e a agressividade do câncer de próstata, é o que mostra um estudo publicado no “Journal of Clinical Oncology”.